terça-feira, 31 de maio de 2016

Nublado

No poema guarda-chuva
Respingava mágoa
E molhava a madrugada
Da tempestade de palavras
Guardadas em seus trovões

No poema guarda-sol
Refletia brilho
Com a luz de letras espalhadas
Saltando os versos sombrios
Das páginas anteriores