domingo, 29 de maio de 2016

Avoante

A tua pele na minha
E o meu lábio no teu
É como água de quartinha
Na boca de um sertanejo
Necessidade escondida
No arenoso costume
Mas que quando se encontram
Desperta  um céu de estrelas
Ou noite de vagalumes