domingo, 16 de março de 2014

Ontem

Houve uma época em que desafiávamos a noite, rasgávamos o céu estrelado e deixávamos ele sangrar suas águas e mágoas, apenas para o nosso deleite ou somente para nos vingarmos da brevidade do espetáculo lunar.
Edificávamos o palco no vento frio e desenhávamos um enredo no vazio de nossas construções. Papos não-lineares, questões não respondidas e teorias complexas que se findavam em segundos. Houve um tempo em que a ousadia da penumbra precedia dores, horrores e tremores nos nossos corpos. Valia a pena. 
Os sorrisos sinceros e atrevidos peitavam a amargura cotidiana, vilipendiava os acertos, os tropeços. Era um tempo onde os abraços não cabiam no poema. Aqueles abraços eram muito mais que qualquer coisa e eram ainda apenas coisas de bêbados. Houve um momento em que os laços despretensiosos pretendiam nos completar.
Houve uma época em que éramos jovens, não tão saudáveis, ébrios e tragicomicamente riamos de nossas desgraças. 
Foi ontem.  Passou.

terça-feira, 11 de março de 2014

Uma Fortaleza de vazio (ou minhas lembranças sem moralismo da Praça Portugal)


A Praça Portugal sempre me deixou curioso. Desde os tempos da pré-adolescência, quando eu saia de Jaguaretama de carona num caminhão em plena madrugada para ir fazer a manutenção de meu aparelho ortodôntico no shopping Aldeota para, logo depois, pegar uma “Topic” de volta para o interior.

As luzes da área nobre da cidade me hipnotizavam, via tudo ali como um não-lugar, era muito diferente de onde eu vivia e eu sempre imaginava que se eu tivesse que morar ali jamais iria aprender a andar naquela cidade.

Anos depois, já morando em Fortaleza, acabei conhecendo uma galera que frequentava aquela praça. Eu saia do Tabapuá, pegava o ônibus metropolitano, depois o “Circular” e dava a volta na cidade para chegar naquela ilha urbana. Seguramente foi ali que eu conheci a diversidade, o urbano e, entre muitos papos, aprendi a beber.
Tudo aquilo, que muita gente via como assustador, me provocava. As diferentes tribos urbanas convivendo no mesmo espaço, jovens, a maioria de classe média, outros tantos vindos da periferia, ali, num espaço no meio dos carros, ao lado de um shopping, vivendo suas neuras, suas crises, suas rebeldias despolitizadas, experimentando e lutando contra moinhos de vento.

Passei a transitar por diversos grupos e tentar entendê-los, tinha uma curiosidade antropológica. Queria saber por que eles conviviam de modo muito mais pacífico do que em outras metrópoles e, mesmo assim, como a praça tinham tantos microterritórios. Emos, punks, otakus, gays, lésbicas, skatistas, metaleiros, tinha uma porção de todos.

Por ter muitas amigas lésbicas, muitas delas fugindo da repressão na praça da Gentilândia , os passeios na ilha Praça Portugal se tornaram frequentes para mim e sempre me provocavam:  era algo corriqueiro o desafio de comprar bebida no supermercado do shopping, sob o olhar contrariado da classe média, driblar os seguranças e depois enfrentar a dura batalha de atravessar o maremoto de automóveis até a praça. Os meus papos se desenrolavam, conversávamos até a hora de irmos para o Dragão-do-mar e parte da turma se separar na rua José Avelino, onde alguns iam para o Noise 3D e outros como eu para o Hey Ho Rock Bar.

Nunca fui romântico com aquela juventude. Nunca a achei revolucionária. No entanto, aguçava minha curiosidade aquele não-lugar, um símbolo da cidade, território daquilo que a sociedade fingia que não reproduzia, com seus jovens sedentos por socialização, pelo coletivo, por integração, mesmo dentro de um modo de vida individualista, consumista, hedonista como o nosso, correndo sem direção, mas correndo. Filhos da classe média branca, pura e pseudo-culta ali, ora brincando de periferia, ora brincando ser de "londrino".

Sempre refletia de que a dinâmica daquela praça esquisita, com aqueles  seus frequentadores, era um ultraje para a farsa da elite local e sua árvore de natal tradicional. Sempre refletia a fúria dos motoristas ao redor dali, dos olhos tortos e do preconceito não somente por conta das dezenas de erros e excessos comuns do início da juventude, mas principalmente pelo moralismo e puritanismo hipócrita ante principalmente @s homossexuais.

Refletia também como aquele território poderia ser qualitativamente melhor, quais as estratégias para que se transformasse em um polo cultural daqueles atores que ali vivenciavam suas experiências. Pensava ainda em como poderia se ampliar, incluir, desenvolver novos e ainda mais diferentes frequentadores. Acessibilidade, mobilidade, segurança, lazer, cultura, preservação, transformação, tudo isso passava pela minha cabeça sem jamais deixar de pensar que um dia escolheriam o caminho inverso: a destruição.

É agora, não sob silêncio, há luta e resistência, porém é mais um lugar de Fortaleza que caminha para o passado, mais uma tentativa de transformar essa cidade em um local sem alma. A Praça Portugal, seus frequentadores, suas práticas e linguagens já eram resultados disso, frutos do não-lugar, da não identidade, no entanto, faziam ali uma nova história, um novo significado e uma potencialidade resistente, ainda que pueril.

NA essência da coisa existe o óbvio interesse econômico e a concepção tosca de cidade. Mas não é surpresa que também apareçam os comentários moralistas na defesa do fim da praça. Não é surpresa que esse seja um dos motivos de que muitos queiram que isso aconteça. O medo de ter em sua cara, cuspida no vidro fumê de seu carro, aquela imagem de uma sociedade onde nem tudo é pureza e onde a futilidade não está somente nos discursos das mamães dondocas, mas em seus filhos rebeldes de modo muito mais sincero e, talvez, com possibilidade de se tornar algo bom, tudo isso se junta com a ganância e a cultura do progressismo barato, do histórico de destruição e irresponsabilidade tradicional de Fortaleza.

Nas discussões sobre o fim da praça já falaram da mobilidade, da questão ambiental, do caráter histórico, dos trâmites legais. Venho aqui dizer que essa praça tem sim história recente, reveladora, emblemática, real. Nada mais revelador do que dizerem que não há frequentadores na praça, aliás, que não há sequer uma praça. Trata-se da vontade explícita ou sorrateira de jogar para baixo do tapete a vergonha de suas próprias contradições. Trata-se de aumentar o muro invisível da cidade, de buscar maquia-la de Miami (como já tentaram de Paris) sem saber que as cisões sempre cobram, se metamorfoseiam e ressurgem mediadas, complexificadas e bem mais próximas.

Longe do debate moralista e sem entrar nos outros  e fundamentais méritos da questão, tão bem debatidos em outras reflexões, afirmo que tenho sim lembranças daquela praça, "sem suco e sem sanduíche", mas pensando, contemplando e amadurecendo. Essa experiência e os fatos atuais reafirmam: Fortaleza vive da desconstrução, vive do concreto e do asfalto, do shopping e do viaduto, do carro e dos semáforos. Vive principalmente do nada. Querem transformar Fortaleza em nada. Entre tantas estratégias, a do pó e do cimento é a que sempre prevalece.

Fico aqui lamentando e relembrando um vídeo amador (MUITO AMADOR) que fiz alguns anos atrás com jovens da Praça Portugal e da Praça da Cruz Grande, ambos territórios com jovens diferentes e desiguais, viventes e sobreviventes da Fortaleza da contradição, da Fortaleza da segregação, da cidade que promove aprofundamento do vazio, de um forte sem alicerces, uma cidade cada vez menos humana e de pessoas que são ainda mais desumanizadas.

sexta-feira, 7 de março de 2014

Espinhos

Onde se esconde a desconfiança?
Qual o tempero de tal amargura?
Qual é a fórmula do nó na garganta?
Onde reside aquela censura?
Qual é a técnica da desesperança?
Onde é que fica a raiz dos espinhos
Que estão escondidos no seu coração
E só aparecem em redemoinhos
Que surgem calados nos gritos vizinhos
Aos medos plantados na voz da razão?

Resiliência

Foi alvo de praga
De mágoa
De chacota
De futrica
De feitiço
De fofoca

De peleja
De inveja
De lorota
De mutuca

De maluca
De marmota
Mas sempre seguiu sua rota

segunda-feira, 3 de março de 2014

Lucy mundo cão: pedigree vida loka!!!


 Com a chegada do feriadão de carnaval nos encontrávamos num dilema sobre a ração da Lucy que já estava acabando. Não iriamos até Palmas comprar antes do carnaval, também não queríamos aquelas mega-vagabundas bem baratinhas parecidas com as rosquinhas Chocoleite da fábrica de biscoito Estrela.

 A ração que utilizamos é de um meio termo, nem sofisticada, nem fuleiragem, sendo assim, por falta de opção, não havia outro jeito do que comprar emergencialmente um pequeno saco da mais recomendada pelo veterinário, da mais reconhecida no mercado e da mais cara da prateleira: a pedigree.

 Imaginei: Lucy vai ter o carnaval de gente rycca!!! Do jeito que é gulosa e come tudo, quando olhar pra isso aqui vai colocar a casa abaixo (não que ela já não faça isso, no entanto, imaginei ela dançando lepo-lepo ao som de "Os Negos" até em deixar ela comer todo o pacote de uma vez só).

 Doce ilusão. Na real, dona Lucy nem tocou na ração. Detestou! Comia só quando já estava definhando, morrendo, fazendo cosplay da cachorra Baleia no Morte e Vida Severina. Lucy, a contragosto, ia catando alguns grãos, tirando os mais macios e coloridos de lado e deixando quase tudo para as formigas. Em dois dias comeu pedra, capim, besouros, formigas, lesmas, papel, sua próprias fezes (isso mesmo!), mas não quis acordo com a tal pedigree.
 
O momento mais crítico (e preocupante) foi quando as obvias irregularidades intestinais começaram a aparecer. Lucy começou a vomitar todo esse universo de coisas que estava colocando para dentro.
Naquela gosma asquerosa tinha de tudo, menos pedrigree. Lucy, empenhada em suas convicções resolveu degustar seu próprio vômito como se dissesse: prefiro os detritos daquilo que sobrou dentro de mim a sucumbir aos deleites da comida da elite, das desigualdades caninas e do discurso nazista de raças superiores!

 Agora aproveitei que os mercadinhos daqui abriram pela manhã e comprei uma ração mais dura do que rapadura! Virou festa, virou farra, virou banquete! Viva a Lucy que é do povão e prefere merda a caviar, gosta mesmo é de farinha e água, vira-lata original, pedigree das ruas, vida loka desse mundo cão!!!

 (Foto[flagra!] da Lucy no seu lugar preferido [e proibido!])