sexta-feira, 13 de maio de 2011

Quarto Ato - Des-prende-mento



Foste canção e eu fui cântico
fui voz
Subi no palco e o espetáculo
À sós

Mostrou-me o cálculo e os obstáculos
De nós
Ao desprender-me de seus tentáculos 
após

Foste o canto, eu fui o pranto
fui sim
Neguei os nãos que não haviam
em mim

E ao negar e na razão
enfim
Rasguei a seda, o linho,
cetim

 Nos nossos nãos, nos nossos cantos
Assim:

Fim