terça-feira, 29 de março de 2016

Nascente

Como quem sabe
Como quem duvida
Caminho um passo
E suspiro outro
Sabendo que há muito nesse vazio
E pouco naqueles excessos

Nado de braçadas
Contra a correnteza
Não para exercitar
Mas por saber que no nascente
A água é cristalina
E a vista é mais bonita

O caminho é árduo
Braço-a-braço
No raso caminho um passo
E transpiro dois
E quando canso
Como quem sabe
Como quem duvida
Respiro a brisa da boa fé
Um sopro de calma
No olho do furacão