quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

Café

A sensação agridoce da saudade
E o desconcertante gosto da surpresa
Temperaram a xícara de café
Junto com a doce textura do texto
E a fome insaciável do desejo
No banquete deletério da ilusão

E eu que outrora morri de inanição
Já não reclamo de minha própria companhia
E me sacio com doses de solidão