segunda-feira, 30 de abril de 2012

Finito


Odeio o ponto
Odeio aquilo que me encanta
E é o humano

Odeio aquilo que desaba
Que acaba
É leviano

Odeio o verso
Odeio aquilo que seduz
Que é cruz
E é profano

Odeio o que é belo
E vai embora
Odeio o que é rima
E chora

Odeio aquilo que me excita
E me despreza
A qualquer hora

Odeio aquilo que reza
Que preza
Não  por mim
Mas por Nossa (Senhora)

Odeio aquilo que é humano
E berra
E erra
E é demais

Odeio aquilo que é humano
Que é fulano
E se desfaz

Odeio aquilo que é humano
mas é divino
Odeio primeiro
e primo
o tiro
certeiro
do todo
da parte
daquilo
que chora
que vem
que vai
embora
na arte

Sim
Odeio não
Odeio aquilo que é humano
Que é engano
Que é assim

Sim
Odeio o ponto
O pronto
A base
A frase
O fim

Wescley