quinta-feira, 14 de abril de 2016

O Indulto

Desobrigando-se dos sabores
Temperando seus passos
Caminhados em sintonia
Tendo o silêncio ao seu lado
E as vozes do aparente
Apresentando a paz

Há sempre um gozo no escuro
Um luto nos refletores
E um sorriso frente ao nada
Dançando rumo ao reflexo
Beirando a reflexão

Dessaborando as obrigações
Pacificando os gostos
Sintonizando os passos
Ao lado de si mesmo
Para flertar em cada esquina
Paquerar com os próprios sonhos
Enamorar-se em vão