quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Testamento

Vou morrer como canção
Como arte, como verso
Reticente e disperso
Ponto de exclamação
Então!

Morrerei na poesia
Naquela parte vazia
No nada que se anuncia
Entre uma e outra estrofe
Que sorte!

Num cordel, em corda bamba
Minha morte é aguardente
É luta, é povo, é semente
Um poema no caderno
Eterno!

Quero a morte bem assim
Como o gole de cachaça
Morrer sem choro, nem vela
Pitando minha aquarela
Arrepiando a desgraça
De graça!

E quando encontrar a terra
Ei de deixar meu resquício
Em paz, em riso, em guerra
Calando qualquer suplício
E vício!

Quero o fim como oração
Na terra e no seu cio
Quebrando métrica e rima
Como uma obra-prima
Ou verso que alforrio
E crio!

E assim eu quero o fim
Na saliva da cantiga
Vivendo a palavra amiga
Que transcende esse descrer
Viver!

É no vazio sem rima
Que enganarei a morte
Vivendo com minha sina
De ser fraco e de ser forte
Sem norte!

E morto viverei arte
Vou ser eterno na parte
Da tristeza e da alegria
Vou rimar e desrimar
E sempre ressuscitar
Nas asas da poesia

(Minha morte é noite
E dia!)